quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Livro - Casa de bonecas

Car@s Alun@s,
segue o livro de Henrik Ibsen, Casa de bonecas, leitura obrigatória do segundo semestre para os 1º anos.

Casa de Bonecas - Henrik Ibsen

Um abraço,
Prof. Nicolau

domingo, 29 de maio de 2011

Aula 2º Ano - Violência Urbana

Car@s aAlun@s,
seguem alguns textos sobre a questão da violência urbana. Um deles trabalhamos em sala de aula.

Alba Zaluar - Hipermasculinidade gera violência
http://www.4shared.com/get/lJ2B6eUf/Atividade_-_Texto_Alba_Zaluar.html

Teresa Caldeira - Cidade de Muros
http://www.4shared.com/get/2lOTUHIs/Atividade_-_Texto_Teresa_Calde.html

Link da primeira parte do filme "Notícias de uma guerra particular" que vimos em sala de aula:
http://www.youtube.com/watch?v=K9TS_N2YbZ4&feature=related

Bons estudos,
Prof. Nicolau

Aula 1º Ano - Tribos Urbanas

Car@s Alun@s,
segue o slide que utilizei para explicar o fenômeno das tribos urbanas na nossa última aula:

http://www.4shared.com/get/SlhackNx/Tribos_Urbanas.html

Para baixar o slide, clique no link acima. Na nova página, clique em "download now" e espere 20 segundos. Por fim, clique em "download file now" e escolha a pasta em seu computador para salvar o arquivo.

Prof. Nicolau

Aula 3º Ano - Escravidão no Brasil contemporâneo

Car@s Alun@s,

segue o vídeo que utilizei em aula e também alguns textos de referência para aqueles que queiram estudar mais sobre o tema "Escravidão no Brasil contemporâneo".

video


Textos:
O que é trabalho escravo?
http://www.reporterbrasil.org.br/conteudo.php?id=4

Como um a pessoa livre se torna escrava:
http://www.reporterbrasil.org.br/conteudo.php?id=5

Um abraço,
Prof. Nicolau

terça-feira, 12 de abril de 2011

Redação da Unicamp - 2002 (Trabalho)

Car@s Alun@s,
aqueles que tiverem interesse em saber como é o vestibular da Unicamp (apesar dele ter sofrido algumas mudanças desde 2002)  podem baixar no link a seguir toda a prova da primeira fase:

http://www.comvest.unicamp.br/vest_anteriores/2002/download/fase1.pdf

Um abraço e bons estudos a todos

sábado, 12 de março de 2011

Livro - Cultura: um conceito antropológico (1º Ano)

Car@s Alun@s,

segue o link para baixar o livro "Cultura" de Roque Laraia. Este texto serve como uma leitura complementar para os interessados em saber mais sobre o conceito de cultura, tão essencial para as ciências sociais:

http://www.4shared.com/document/X1aMq-iC/Roque_de_Barros_Laraia_-_Cultu.html


Um abraço,
Nicolau

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Música - Elevador (2 anos)

Car@s Alun@s,

segue uma música para pensarmos nas formas de sociabilidade urbana. Elevador, de André Abujamra, que retrata bem o anonimato entre vizinhos e a atitude de reserva entre os habitantes de uma cidade grande.

video


Elevador

Essa Canção é pra você
Mesmo antes de eu te conhecer
Será que a gente já se cruzou
Eu agachei você passou
Desci no 7 você subiu no 8
No mesmo elevador
Será que a gente mora perto
Será que a gente mora longe
Onde você está
Por que você se esconde
Essa pausa é natural
Coração pequeninim
Como será que se é
Eu te espero junto a mim
Eu sei que você existe
Por isso não estou triste
E posso até esperar meu amor
Que quando for eu vou saber
Quem é você

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Vídeo sobre Transporte (2º anos) - "Taken for a ride" (parte 2)

Vídeo sobre Transporte (2º anos) - "Taken for a ride" (parte 1)

Car@s alun@s,
segue um documentário - "Taken for a ride" - feito sobre o lobby das grandes empresas de automóveis nos EUA, principalmente a General Motors, que destruiu o sistema de transporte público (os bondes) para a construção de rodovias e estradas, privilegiando o transporte individual. Há nesse vídeo várias passagens que ilustram temas que iremos tratar nesse semestre: como se produz o caos urbano e a morte das cidades? Qual a relação entre capitalismo e a produção do espaço? Como ocorre a segregação urbana nas grandes cidades?

video


Para quem se interessou pelo filme, vale a pena conferir na íntegra no youtube:
2ª parte:

3ª parte:

4ª parte:

5ª parte:

6ª parte:

O que é cidade? - Download do livro 2º anos


Car@s Alun@s,
segue o link para realizar o download de um livro muito bom e pequeno, de Raquel Rolnik, sobre a história das cidades. O livro parte da antiguidade até os dias atuais. A leitura obrigatória - que será cobrada na prova - será o trecho que começa na página 40 (no Adobe está na página 21) até a página 53, com o subtítulo "Separar e reinar: a questão da segregação urbana".
Para realizar o download é necessário esperar alguns minutos, pois o arquivo é pesado; depois de 390 segundos aparecerá o link download file now, clique nele e aguarde o término do download.

http://www.4shared.com/get/GR5AR5Av/O_que__a_cidade.html

Boa leitura a todos,
Prof. Nicolau

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Manifesto do Partido Comunista - Download (3º Anos Ensino Médio)

Car@s Alun@s,

abaixo, vocês encontram o link para baixar o livro Manifesto do Partido Comunista, de Engels e Marx. Iremos trabalhar em sala com alguns trechos dele, mas quem quiser lê-lo inteiro, melhor.


Vocês podem salvar como PDF no próprio computador, e ler mais tarde.

Um abraço a todos,
Prof. Nicolau

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Material Didático - 1º Ano - O que é Sociologia (Slides)

Car@s alunos,
segue o link abaixo para realizar download do arquivo da apresentação em slides sobre "O que é Sociologia?". É necessário aguardar 20 segundos e depois clicar em Download File Now.


http://www.4shared.com/document/I9kjRubd/O_que__a_Sociologia_-_Socializ.html


Um abraço,
Prof. Nicolau

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Histórias de um suburbano convicto

ALESSANDRO BUZO

Folha de São Paulo, 24/08/2008 – Caderno DNA Paulistano 4/ Extremo Leste

Nos bairros nobres, uma viatura me dá sensação de proteção, já no Itaim Paulista fico pensando: - Será que vão me enquadrar?

Estava eu na produtora que trabalho, quando surgiu um trampo no Itaim Bibi, alguém tinha que ir no INPI [Instituto Nacional da Propriedade Industrial], se informar sobre o que faltava para registrar o nome "Buzão - Circular Periférico", que é o quadro que apresento no programa "Manos e Minas", da TV Cultura. Me ofereci para ir eu mesmo.

Vinte minutos e o buzão vira na rua Renato Paes de Barros, o meu destino era a rua Tabapuã, uma travessa, dei sinal, desci e pensei em almoçar, num restaurante vi placa indicando pratos como risoto de camarão, molho não sei das quantas e preços na faixa de R$ 35.

Outros parecidos, desisti e virei na rua Tabapuã, muitas câmeras por todo lado, muros altos, em um deles plaquinhas traziam o desenho de um cachorrinho e a frase: "Retire os dejetos de seu animal, você está sendo filmado".
Três câmeras apontadas, que bom não estar com um cachorrinho. Imaginei o cachorro defecando e o dono tentando fugir da cena do crime sem limpar, vários seguranças armados pulando do muro alto, sirenes, holofotes. - Não se mexa, você está cercado.
Cheguei no INPI, câmeras no portão de entrada, na recepção a mulher disse: - O sr. pode tirar o boné para tirar uma foto.
Imaginei o Big Brother, não deve ter tanta câmera como a rua Tabapuã.
Moro no Itaim Paulista, bairro no extremo leste de SP, com cerca de 320 mil habitantes.
Um bom lugar apesar do descaso público e dos 38 km que separam a gente do centro. Ali me sinto bem. É lá que escrevo meus livros e é lá que cresce meu filho, gosto tanto do lugar que costumam me chamar de suburbano convicto.
Algumas coisas mudaram, como a Estação de Trem do Itaim Paulista, nem sonhava em ver uma ali com escadas rolantes, até elevador para deficiente físico tem, coisa de primeiro mundo, querendo saber mais sobre o assunto acesse minha coluna no site (www.itaim paulista.com.br), O Trem do Século XXI, pra variar mostro que nem tudo são flores.
O contraste social entre o Itaim Bibi e o Itaim Paulista é gritante.
Não interessa aos que hoje têm o poder, dos políticos aos donos de canais de TV, que o povo se instrua, para manter esse contraste que a alguns interessa, é mais fácil para ele controlar e manter o poder, se o jovem ouve "Créu", melhor para quem está no poder, o povo da periferia ouvindo Latino, Ivete Sangalo, Daniel, Harmonia do Samba, do que escutando Racionais Mc's, MV Bill, Rappin Hood, GOG e outros.
A PM por exemplo, na região central e bairros nobres, uma viatura me dá sensação de proteção, já no Itaim Paulista fico pensando: - Será que vão me enquadrar?
Assim como a periferia é o quilombo moderno e todos nós (até quem não se assume) somos quilombolas, a polícia de hoje é o capitão do mato de ontem. Vamos falar de saúde, estava um tempo, sofrendo de dor no ouvido, meu amigo Toni Nogueira da produtora que trabalho pegando no meu pé: - Vai no médico, ouvido não é brincadeira, vai esperar ficar surdo?
Explicava pra ele que na periferia não adiantava nada eu ir no hospital, porque tudo vai pro clinico geral e ele só receita Cataflan, disse isso algumas vezes, inclusive nos que a dor apertava e eu tomava Cataflan, me auto medicando.
O assunto voltou a tona, ele disse: - Chega cedo que te pago um especialista. Fomos até o Hospital Paulista, na Vila Clementino, a recepcionista disse: - Qual o convênio ? Meu amigo disse: - É particular. - Sim senhor, a consulta é R$ 150.
Pagamos e fomos atendidos pelo dr. Miguel Kaoru Yoshio, simplesmente um dos diretores do hospital, em meia hora ele examinou boca, nariz e finalmente ouvido, fez 1.001 perguntas e uma lavagem, eu não tinha nada, a lavagem resolveu o problema e nem remédio ele receitou.
Uma semana depois meu sogro, que é aposentado e trabalhou a vida toda, estava com dor de ouvido, perdeu uma manhã na fila para chegar ao dr., o mesmo sentado em sua cadeira, ouviu as lamentações de dores do meu sogro, pediu para ele virar a cabeça, nem levantou, não encostou um dedo e disse: - Tem um caroço no seu ouvido. E receitou CATAFLAN.
Se o espaço fosse maior, iria falar de educação e outros assuntos, mas fica para a próxima. 



ALESSANDRO BUZO é escritor e apresentador 

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Pequeno dicionário de sociologia


Cultura: quando os sociólogos se referem à cultura, estão preocupados com aqueles aspectos da sociedade humana que são antes aprendidos do que herdados. Esses elementos culturais são compartilhados por membros da sociedade e tornam possível a cooperação, a comunicação e a dominação. Formam o contexto comum em que os indivíduos numa sociedade vivem as suas vidas, e a estrutura simbólica que orienta as relações de poder entre classes sociais dentro de uma sociedade. A cultura de uma sociedade compreende tanto aspectos intangíveis – as crenças, as idéias e os valores que formam o conteúdo da cultura – como também aspectos tangíveis – os objetos, os símbolos ou a tecnologia que representam esse conteúdo.
O termo cultura se refere de forma ampla ao modo de vida. Nessa perspectiva, cultura aqui inclui um modo de pensar, a língua, os valores, os costumes e as normas, os hábitos e as práticas cotidianas, os bens materiais, as formas de viver de um povo. Todo mundo tem cultura!
A cultura é necessariamente algo aprendido, por isso, cada pessoa aprende a cultura inicialmente com a família, a escola, e todos os agentes de socialização. E é na medida em que compartilhamos a cultura que nos comunicamos e vivemos em sociedade. A cultura orienta a nossa conduta sem que precisemos pensar sobre isso. Dedicamo-nos aos estudos porque a cultura valoriza essa prática; assim como ela valoriza a maternidade e a família, o que explica a intensa dedicação de muitas mães a seus filhos e a culpa que elas sentem quando fracassam nesse aspecto. Muitas vezes esses valores e normas culturais não estão escritos em lugar nenhum, não são regidos por leis, mas pelo hábito, pelos costumes que passam de uma geração a outra, pela forma de interpretar e entender a vida e as relações entre as pessoas.
Na teoria social, especialmente na Antropologia, cultura é um termo que se opõe à natureza. A cultura é o que diferencia os humanos dos animais. Alguns animais parecem ter uma linguagem simbólica – como a linguagem de vôo das abelhas, por exemplo –, mas essa linguagem não é ensinada nem aprendida: a abelha já nasce sabendo. Faz parte de seu instinto e seu código genético. No caso da humanidade, é bem diferente: a simbologia e a linguagem têm de ser aprendidas. Uma criança pode ser filha de pais brasileiros, mas, se desde recém-nascida for criada por alemães na Alemanha, ela aprenderá a língua alemã e a cultura desse país no qual está sendo socializada. Não há nada no ‘gene’ ou no corpo da criança que traga uma ‘cultura’, ela é sempre uma experiência aprendida através da vivência e da convivência nas instituições. Por outro lado, a diversidade de culturas prova que ela é a marca humana do aprendizado coletivo. Assim, há muitas e variadas culturas, há tantas culturas quantas formas de ver e de viver.

Etnocentrismo: Toda cultura tem seus próprios padrões de comportamento, os quais parecem estranhos às pessoas de outras formações culturais. O etnocentrismo é o julgamento de uma cultura pelos padrões culturais de outra. O que para nós é normal, para outra cultura pode soar como estranho e bárbaro; e vice-versa: frequentemente julgamos bárbaros aqueles que são diferentes de nós, temos nojo de alguns de seus comportamentos, pois estamos habituados com outro padrão de valores. Montaigne, um filósofo francês, ao ler os relatos de viajantes ao Brasil sobre o canibalismo praticado em terras tupiniquins, não fica tão chocado quanto era costume na época; ele já adota uma postura de relativismo cultural, muito importante na antropologia. Ele encontra a lógica do canibalismo, talvez mais racional – do ponto de vista daquela cultura – do que as próprias guerras entre as nações “civilizadas” da Europa: “Mas, voltando ao assunto, não vejo nada de bárbaro ou selvagem no que dizem daqueles povos; e, na verdade, cada qual considera bárbaro o que não pratica em sua terra... Por certo em relação a nós são realmente selvagens, pois entre suas maneiras e as nossas há tão grande diferença que ou o são ou o somos nós!”. A alteridade dos “selvagens” punha em xeque as certezas arraigadas no imaginário ocidental.

Identidade: Este termo é usado em várias disciplinas, na Psicologia e na Filosofia, por exemplo. Nas Ciências Sociais, identidade refere-se à maneira como uma pessoa se sente sobre quem ela é, o que é significativo para ela se definir, e com quem ela compartilha determinados atributos sociais ou algumas experiências. Tem relação, portanto, com uma sensação individual de ‘quem eu sou’. Mas, ao mesmo tempo, a identidade é também social e coletiva, porque, para definir ‘quem sou’, cada pessoa utiliza critérios sociais. Assim, nossa identidade é sempre individual e social ao mesmo tempo. Ela é um tipo de ‘lugar social’ que cada pessoa ocupa. A identidade está ligada à sensação de ser parte de um grupo. Um grupo sempre se destaca ou se define em relação a outro grupo. Nesse sentido, ter uma identidade é apresentar semelhanças com algumas pessoas e apresentar diferenças em relação a outras. Por isso, dizemos que a identidade é situacional. Um exemplo: uma pessoa se sente ‘mais’ brasileira numa situação em que se opõe a alguém de outro país, em geral num contexto de viagem, migração ou mesmo numa época especial, como durante a Copa do Mundo. Em contextos assim é que a ‘identidade ‘nacional’ se torna relevante. No entanto, em outra situação, quando no seu país, mas fora de seu estado, um indivíduo pode se sentir ‘mais’ nordestino quando se encontra no estado de São Paulo, ou mais especificamente pernambucano num estado do Nordeste que não seja o seu. Nesse exemplo vemos que a identidade é contrastiva, e cria fronteiras simbólicas entre grupos de pessoas.
Como se vê, cada pessoa tem várias identidades que podem ser acionadas em contextos particulares. A identidade pode ser nacional, regional, ou identidade de gênero, de orientação sexual, identidade étnica ou cultural. Mas nenhuma dessas identidades define a pessoa integralmente, pois em geral lidamos com várias delas. Por exemplo, a identidade de gênero, ser homem ou mulher, nunca é capaz de dar conta de toda a experiência de uma pessoa. Mas é assim que sermos vistos socialmente, e certamente este é um atributo que constrói muitas de nossas sensações sobre quem somos. No entanto, se uma pessoa é uma mulher, isso não é tudo o que ela é – ela também tem outros atributos identitários importantes. Podemos pensar em vários aspectos, tais como ser negra, mãe, professora, paulista, católica, corinthiana, praticante de caratê, alguém que gosta de rock. Tudo isso (e provavelmente muito mais) compõe a sua sensação de ser quem ela é, da sua identidade. Alguns desses aspectos se sobressaem em determinadas situações de sua vida ou em certos contextos históricos e políticos; em outros, não. A identidade sempre envolve dimensões coletivas que podem ser fortemente acionadas, levando a movimentos sociais quando ela é fonte de algum tipo de desigualdade ou discriminação. Os movimentos negro, feminista e homossexual, por exemplo, são movimentos sociais identitários. Isso significa que são movimentos organizados a partir de experiências comuns que os sujeitos têm, por partilhar algum atributo social.

Instituições sociais: São modos estáveis ou ‘obrigatórios’ de pensar, de sentir e de se relacionar com os outros. Toda e qualquer instituição fornece aos indivíduos papéis sociais, regras ou expectativas sociais, assim como um ‘estoque de conhecimento’. Por exemplo, o casamento (ou a família) é uma instituição social. Nele, são distribuídos papéis (de ‘marido’ e de ‘esposa’) baseados em regras, ou seja, baseados nas expectativas de como se relacionar. Além disso, existe uma série de interpretações disponíveis sobre o próprio casamento, quer dizer, existem várias fontes de conhecimento que nos informam sobre o que é essa instituição específica. Assim, as ‘instituições sociais’ servem como formas de organização que ordenam as relações sociais entre grupos e, também, as interações entre os indivíduos. Há outras instituições que são mais formalizadas, tais como a escola, a justiça, o Estado, a religião. Algumas delas impõem fortemente condutas específicas, papéis sociais determinados e regem formas de controle social.

Natureza/Desnaturalização: Natureza, nas Ciências Sociais, é o termo que se opõe à cultura e serve para designar tudo aquilo que estaria ‘antes’ da cultura ou que fosse independente dela. Por um lado, o termo se refere ao que chamamos de ‘meio’ ou ‘ambiente’. Neste sentido, a natureza é um espaço complexo, produzido por fatores geográficos, geológicos, climáticos etc., e dotado de vida ecológica, quer dizer, habitado por várias espécies de vegetais e animais. Por outro lado, as idéias de naturalidade e de ‘natural ligadas à biologia e à fisiologia do corpo humano. Por exemplo, se comer, nascer e morrer são fatos ‘naturais’ do corpo, isso significa que eles são parte ‘necessária’ do funcionamento corporal. Embora fatos como comer, nascer ou morrer sejam naturais, eles são ao mesmo tempo sociais, pois são vividos e representados como momentos muito fortes e significativos, ligados a vários aspectos simbólicos e culturais. No entanto, nossa sociedade tem ainda uma forte ideologia da natureza. Uma delas é a tendência a naturalizar, ou seja, a tendência a explicar diferentes práticas e comportamentos humanos com base em atributos biológicos. Por exemplo, é bastante comum a tendência de se naturalizar o chamado ‘amor materno’, como se ele decorresse do corpo fisiológico feminino. Essa tendência supostamente ‘natural’ à maternidade e ao amor já foi interpretada, no final do século 19 e 20, como se fosse decorrente do útero e dos ovários; dos hormônios na visão médica de meados do século XX; ou dos genes, na ideologia do início do século XXI. Ao longo do tempo, de acordo com a tendência dominante da medicina na época, a força ‘natural’ muda de lugar, o que mostra que talvez não seja simplesmente natural, mas trata-se de uma visão cultural e histórica sobre a natureza e sobre o corpo e sua fisiologia. Assim, um dos maiores esforços das Ciências Sociais consiste na desnaturalização, ou seja, a recusa de explicações baseadas na natureza e no essencialismo biológico. Isso ocorre porque os atributos biológicos não explicam a variedade de comportamentos e valores humanos, pois estes são culturais e históricos, apesar de sua aparente ‘naturalidade’. Mais recentemente, a ideia de desnaturalização foi mais utilizada e desenvolvida nos estudos de gênero, raça e sexualidade.

Socialização: o processo pelo qual as crianças, ou outros novos membros da sociedade, aprendem o modo de vida de sua sociedade é chamado de socialização. A socialização é o principal canal para a transmissão da cultura através do tempo e das gerações. Os sociólogos falam com frequência que a socialização ocorre em duas grandes fases, envolvendo um número de diferentes agentes de socialização. Os agentes de socialização são grupos ou contextos sociais em que ocorrem processos significativos de socialização. A socialização primária ocorre na primeira infância e na infância e é o mais intenso período de aprendizado cultural. É o tempo em que as crianças aprendem a língua e os padrões básicos de comportamento que formam a base para o aprendizado posterior. A família é o principal agente de socialização durante essa fase. A socialização secundária tem lugar mais tarde na infância e na maturidade. Nessa fase, outros agentes de socialização assumem algumas das responsabilidades que antes eram da família. As escolas, os grupos de iguais, as organizações, a mídia e finalmente o lugar de trabalho se tornam formas socializantes para os indivíduos. As interações sociais nesses contextos ajudam as pessoas a aprenderem os valores, as normas e as crenças que constituem os padrões de sua cultura.

Valores e normas: Fundamentais a todas as culturas são as idéias que definem o que é considerado importante, válido e desejável. Um grupo poderoso em uma sociedade é aquele grupo que consegue fazer com que sejam reconhecidos como as idéias e as práticas mais valorizadas por toda a sociedade aquilo que eles pensam, agem e são. Segundo Marx, a classe dominante só consegue ser dominante porque universaliza seus valores particulares – a idéia de ideologia. Os valores e as normas variam enormemente através das culturas. Algumas culturas valorizam altamente o individualismo, enquanto outras podem colocar maior ênfase na solidariedade e na hierarquia. Um simples exemplo torna isso claro. A maioria dos alunos na Grã-Bretanha se sentiria ultrajado em encontrar outro estudante ‘colando’ em um exame. Na Grã-Bretanha, principalmente nas classes médias, copiar do trabalho de outra pessoa vai contra valores centrais de realização e individual, de igualdade de oportunidade, de trabalho duro e de respeito às regras. Já no Brasil, os estudantes ficariam perplexos com esse sentimento de ultraje entre seus pares britânicos. Os brasileiros colam tranquilamente, faz parte do jeitinho brasileiro de resolver problemas, ainda que em determinadas frações da classe média esse comportamento também possa ser visto como uma vergonha.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Música - Desconstruindo Amélia

Car@s, segue abaixo a letra e o vídeo da música "Desconstruindo Amélia", de Pitty, que será trabalhada no primeiro ano, na discussão sobre desigualdades e identidades de gênero. Agradeço a sugestão de Cristiano Bodart - editor do blog Café com sociologia: 
http://cafecomsociologia.blogspot.com.
video

Já é tarde, tudo está certo
Cada coisa posta em seu lugar
Filho dorme ela arruma o uniforme
Tudo pronto pra quando despertar
O ensejo a fez tão prendada
Ela foi educada pra cuidar e servir
De costume esquecia-se dela
Sempre a última a sair...
Disfarça e segue em frente
Todo dia até cansar
Uooh!
E eis que de repente ela resolve então mudar
Vira a mesa
Assume o jogo
Faz questão de se cuidar
Uooh!
Nem serva, nem objeto
Já não quer ser o outro
Hoje ela é um também
A despeito de tanto mestrado
Ganha menos que o namorado
E não entende porque
Tem talento de equilibrista
Ela é muita se você quer saber
Hoje aos 30 é melhor que aos 18
Nem Balzac poderia prever
Depois do lar, do trabalho e dos filhos
Ainda vai pra nigth ferver
Disfarça e segue em frente
Todo dia até cansar
Uooh!
E eis que de repente ela resolve então mudar
Vira a mesa
Assume o jogo
Faz questão de se cuidar
Uooh!
Nem serva, nem objeto
Já não quer ser o outro
Hoje ela é um também
Disfarça e segue em frente
Todo dia até cansar
Uooh!
E eis que de repente ela resolve então mudar
Vira a mesa
Assume o jogo
Faz questão de se cuidar
Uooh!
Nem serva, nem objeto
Já não quer ser o outro
Hoje ela é um também

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Reflexão sobre o sentido da Educação

Pessoal,
segue o link do vídeo da palestra de Ken Robinson, muito interessante, sobre o sentido da educação. Ele enfatiza que precisamos superar o modelo único de escola e de currículo; temos que imaginar uma escola que consiga reconhecer a pluralidade de talentos. Sob o risco de cair no palavreado que cerca a educação - o desenvolvimento de competências, de habilidades -, o palestrante consegue escapar desse risco questionando o modelo que temos de educação: formar somente pessoas preparadas para enfrentar o vestibular, que só conseguem, quando conseguem, desenvolver as capacidades cognitivas adequadas para a inserção no mercado de trabalho, e não outras potencialidades do ser humano.

http://www.ted.com/talks/lang/por_pt/ken_robinson_says_schools_kill_creativity.html

Um abraço,
Nicolau

domingo, 9 de janeiro de 2011

Desafios para o governo Dilma no combate às desigualdades de gênero

Mulher, democracia e desenvolvimento


FLAVIA PIOVESAN e SILVIA PIMENTEL

"Pela decisão soberana do povo, hoje será a primeira vez que a faixa presidencial cingirá no ombro de uma mulher. (...) A valorização da mulher melhora a nossa sociedade e valoriza nossa democracia."

Assim a presidente Dilma inaugurou o seu discurso de posse, enfatizando que sua luta mais obstinada será pela erradicação da pobreza. A presidente brasileira soma-se às 11 mulheres chefes de governo, considerando 192 países.

O Brasil situa-se no 81º lugar no ranking de desigualdade entre homens e mulheres de 134 países, tendo como indicadores o acesso à educação e à saúde e a participação econômica e política das mulheres (relatório Global Gender Gap).

O estudo conclui que nenhum país do mundo trata de forma absolutamente igualitária homens e mulheres. Os países nórdicos revelam a menor desigualdade de gênero -despontando Noruega, Suécia e Finlândia nos primeiros lugares do ranking-, enquanto os países árabes têm os piores indicadores.

Se comparada com outros países latino-americanos, como a Argentina (24º lugar) e o Peru (44º lugar), preocupante mostra-se a performance brasileira, explicada, sobretudo, pela reduzida participação política de mulheres.

Ainda que no acesso à educação e à saúde o Brasil ostente um dos melhores indicadores de nossa região, quanto à participação política atingimos a constrangedora 114ª posição, muito distante das posições argentina (14ª), chilena (26ª) ou mesmo peruana (33ª).

Ao longo da história, atribuiu-se às mulheres a esfera privada -os cuidados com o marido, com os filhos e com os afazeres domésticos -, enquanto aos homens foi confiada a esfera pública.

Nas últimas três décadas, no entanto, houve a crescente democratização do domínio público, com a significativa participação de mulheres, ainda remanescendo o desafio de democratizar o domínio privado -o que não só permitiria o maior envolvimento de homens na vivência familiar, com um grande ganho aos filhos(as), mas também possibilitaria a maior participação política de mulheres.

No mercado de trabalho, para as mesmas profissões e níveis educacionais, as mulheres brasileiras ganham cerca de 30% a menos do que os homens. Para José Pastore, "além das diferenças de renda, as mulheres enfrentam uma situação desfavorável na divisão das tarefas domésticas. Os maridos brasileiros dedicam, em média, apenas 0,7 hora de seu dia ao trabalho do lar. As mulheres que trabalham fora põem quatro horas diárias".

Se hoje há no mundo 1 bilhão de analfabetos adultos, dois terços são mulheres. Consequentemente, 70% das pessoas que vivem na pobreza também o são -daí a feminização da pobreza. Garantir o empoderamento de mulheres é condição essencial para avançar no desenvolvimento. Os países que apresentam a menor desigualdade de gênero são justamente os mesmos que ostentam o maior índice de desenvolvimento humano.

Que a eleição de nossa primeira presidente e a composição de seu ministério (com um terço integrado por mulheres) tenham força catalizadora de impulsionar o empoderamento das mulheres brasileiras.

Afinal, como lembra Amartya Sen, "nada atualmente é tão importante ao desenvolvimento quanto o reconhecimento adequado da participação e da liderança política, econômica e social das mulheres. Esse é um aspecto crucial do desenvolvimento como liberdade".

FLAVIA PIOVESAN, professora doutora da PUC/SP, é membro da Força-Tarefa da ONU para a Implementação do Direito ao Desenvolvimento.
SILVIA PIMENTEL, professora doutora da PUC/SP, é presidente do Comitê da ONU sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher.

Fonte - Folha de São Paulo 09/01/2010